domingo, 29 de junho de 2008


SÓ DEUS

Um dia desses estava assistindo um jornal nacional, e duas noticias me despertaram pra outro comportamento da modernidade. Duas meninas de diferentes estados do Brasil uma com a ajuda do namorado e a outra com a ajuda de ‘sua namorada’ tentaram matar suas mães. Uma conseguiu a outra não (graças a DEUS). Isso porque ambas as mães não aprovavam os namoros. Solução: matam-se as mães, acabam-se os problemas. O que está havendo com o mundo? Sou só eu ou mais alguém ta vendo algumas coisas estranhas.
Mas a ligação que faço desse assunto com outro é a tão clichê banalização do sexo. Pra quem não ta ligado vou dar um toque, atualmente o sexo livre é muito praticado entre os jovens mais moderninhos (infelizmente inclusive entre os evangélicos), mas uma psicanalista e sexóloga (louca) que prefiro não citar o nome, defende que o amor do futuro poderá será livre. Se segure aí onde você está sentado (a). Ela diz que o amor deixará de monogâmico e passará a ser poligâmico, ou seja, as pessoas poderão se apaixonar por mais de um parceiro ao mesmo tempo e irão namorar com mais de uma pessoa ao mesmo tempo. É mole?! Ela diz (mais ou menos) que a evolução dos tempos se encarregou de evoluir as relações sexuais também. É a opinião dela, quanto a isso não há o que discutir. Mas Filipe o que isso tem com as duas assassinas que mataram suas mães? Pra mim, tudo a ver. Não é novidade nenhuma a campanha que a mídia faz contra casamento e a família. Essa desvalorização de algo que é a base da sociedade acarreta nesse comportamento doente. Se os filhos não vêem exemplos em casa, quem eles terão por modelo padrão. Como aprenderão sobre valores e ética se em casa esses conceitos são nulos. Hoje em dia pai e mãe não têm valor nenhum pra uma parte de pessoas logo se faz com eles o que se quer. Chantageia, machuca, humilha, desrespeita e até se mata. Sendo que isso com a educação tradicional que eles tem tido, agora imagina se em casa eles verem seus pais se relacionando afetivamente (ou só sexualmente, que seja) com outras pessoas. Como ficarão essas cabeças? Pois é, a culpa nem sempre é desses monstrinhos em potencial chamados de filhos, muitas vezes a culpa é dos próprios pais que não impõe limites, não dão uma disciplina ou até mesmo não são referencial. Até as correções com palmadas foi abolida, dizem por aí que a criança pode crescer traumatizada. Mas o problema é que traumatizadas elas já estão. Pensem nesse assunto. Rende outro texto aqui foi só uma pincelada no assunto...

2 comentários:

  1. COMO SEMPRE MUITO MASSA OS TEXTOS, ESSE EM ESPECIAL TA BOMBANDO...
    BEIJOS FILIPE...

    ELKE.

    ResponderExcluir
  2. [i]- (Custume do orkut)kkk

    ... Até aqui eu venho te abusar.
    Mto bom todoss os textos...
    Ah, Gostei do blog pra caramba!
    Flávia - Melxydrf

    ResponderExcluir